segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Entrevista ao Blog Cartão Vermelho

O Blog Cartão Vermelho tem a honra de trazer a você leitor, uma entrevista exclusiva com o Ex-Deputado Federal, Presidente do PMDB/CF e pré-candidato a Prefeito de Cabo Frio, Bernardo Ariston.

Entrevista com Bernardo Ariston

Blog CV: Como o senhor avalia a chegada de Alfredo Gonçalves ao PMDB? Já que Alfredo é uma pessoa sem afinidades com o partido, e que está no PMDB por conta de um acordo político com Paulo Melo.

Bernardo Ariston: A política é feita com acordos. Venho de uma escola política que não tem como premissa a intolerância, cresci num ambiente político e social onde sempre houve o amplo debate e o contraditório sempre foi respeitado e usado como elemento norteador de nossas decisões. Sou fruto da geração que garantiu a reabertura da democracia no Brasil e pertenço a um grupo político que tem essa tradição. Sou filiado a um partido político que preza pelos princípios democráticos e é símbolo da nossa democracia. Por tudo isso creio que essa questão de ter ou não ter afinidade se torna relativa, acho que afinidade pode ser também conquistada. O tema central da resposta, portanto, se fixa no fato de que o suposto candidato do PMDB à época, por motivos pessoais e políticos, optou por ingressar num outro partido, deixando assim, espaço para a possibilidade de uma nova candidatura do PMDB, e no momento em que o partido passou a discutir essa nova situação surgiu o interesse do Alfredo em ingressar em nossas fileiras. Acho portanto, a chegada do Alfredo legítima, uma vez que está contextualizada dentro desse momento político que me referi, porque tem o aval da executiva estadual do partido e porque ele demonstra estar em sintonia com os princípios e com o estatuto do PMDB, sendo isso  suficiente para que ele esteja em nossas fileiras.

Blog CV: Hoje o PMDB tem duas pré-candidaturas a prefeito a sua e a do candidato oficial do Governo Marcos Mendes, Alfredo Gonçalves, além de ter o suplente de Deputado Estadual, Janío Mendes do PDT, querendo o partido para compor com sua legenda. Como o senhor se sente em relação a esse imbróglio político que virou o PMDB de Cabo Frio?

Bernardo Ariston: Não observo esse suposto imbróglio político, acho que isso é mais badalado nas fofocas do que na realidade. O PMDB é uma força política desejada por muitos. O sonho de muitos políticos é exercer um mandado fazendo parte de um partido da envergadura do nosso. Ter o apoio do PMDB também é muito desejado por tudo que o partido pode oferecer. É natural que o Deputado Jânio, que apresenta pré candidatura a prefeito, queira o apoio do PMDB. Acho satisfatório e importante o PMDB poder dispor de nomes para o próximo pleito. O momento é propício para isso e ter algumas pré candidaturas também é natural, afina o discurso, mostra que o PMDB tem disposição.

Blog CV:  Dizem que Alfredo Gonçalves não consegue crescer em pesquisas, mesmo já sendo pré-candidato há mais de seis meses. Na qualidade de Presidente do PMDB de Cabo Frio o senhor acredita que isso inviabilize a candidatura de Alfredo Gonçalves?

Bernardo Ariston: A pré candidatura do Alfredo tem tudo para crescer, cabe a ele buscar seus caminhos. O PMDB estará a disposição para viabilizar as condições para ele, entretanto, não se pode, num momento como esse, querer atribuir aos seus, suas limitações. Não é bom também esquecer que o partido tem vida. Como presidente da legenda me cabe organizá-la para que tudo aconteça da forma certa e legítima.

Honestamente acho que o crescimento nas pesquisas é viável, mas depende muito mais da performance dele do que de outra coisa, afinal de contas estamos num momento pré eleitoral, a campanha política é só a partir de julho de 2012. Com certeza quando chegarmos lá estaremos preparados para o melhor embate, com o melhor candidato e com um projeto definido e aprovado pelo coletivo partidário. Hoje o que se discute são meros posicionamentos.

Blog CV: Alfredo Gonçalves em sua trajetória política sofreu vários desgastes, sendo quando Presidente da Câmara de Vereadores, sendo pela desistência de sua candidatura a vaga de Deputado Estadual. Na qualidade de Presidente do PMDB de Cabo Frio o senhor acredita que isso inviabiliza a pré-candidatura de Alfredo Gonçalves?

Bernardo Ariston: Não, não acredito que esses fatos por si só possam inviabilizar nada. Esses fatos estão registrados na vida pública dele, são indeléveis, entretanto, o que pode ser desgaste para uns, pode ser virtude para outros. Isso tudo é muito relativo. Em casos assim vale o conjunto da obra, o caráter, a história, a experiência, o posicionamento, o trabalho prestado, o pensamento ideológico, entre outros fatores.

Blog CV: Bernardo Ariston tem uma trajetória de sucesso eleitoral e político, no entanto sua última candidatura não refletiu essa trajetória e sua votação foi bem abaixo das expectativas. Ao que o senhor atribui essa última votação?

Bernardo Ariston: Existem momentos das nossas vidas em que precisamos recuar um pouco e aquele momento foi um desses momentos na minha vida, entretanto, vamos em frente, tenho noção do meu trabalho, da minha trajetória e do meu tamanho político, sei que tenho muito a contribuir e a conquistar, estou construindo o caminho de volta.


Blog CV: Quando o governador Sérgio Cabral esteve em Búzios, anunciou que seu candidato à prefeito de Cabo Frio era o Suplente de Deputado Estadual Janío Mendes.Qual a possibilidade do governador atropelar a executiva municipal do partido e entrega-lo a coligação de Janío?

Bernardo Ariston: Essa hipótese do governador atropelar não existe, o governador Cabral é um homem sério, um democrata, um líder e por isso não teria esse comportamento. É óbvio que o governador tem um peso importantíssimo, sua palavra é fundamental, mas tenho certeza que esse comportamento ele não teria. Se essa for sua vontade, ou melhor, se esse for seu entendimento, com certeza o encaminhamento será feito na hora e na forma correta.

Blog CV:  Gostaria de agradecer a atenção em nos conceder essa entrevista, é uma honra para esse pequeno espaço virtual recebê-lo como entrevistado, gostaríamos também de deixar franqueado o espaço do Blog Cartão Vermelho para suas considerações finais.

Bernardo Ariston: Obrigado pelo espaço, espero ter contribuído. Estou à disposição !!! Sou pré-candidato pelo PMDB sim, tenho a exata noção da importância de ampliarmos esse debate, pois o PMDB é grande demais para ficar refém de uma situação indefinida, não sou golpista nem oportunista, minha posição é legitima e democrática, não estou contra ninguém, muito pelo contrário, o que quero é fortalecer o meu partido e poder ter condições de levá-lo à vitória independentemente de quem seja o candidato ou até mesmo independentemente de ser ou não base de apoio para uma candidatura majoritária coligada. O PMDB precisa estar forte no todo !!!

Desde já agradeço a atenção

Bernardo Ariston

domingo, 27 de novembro de 2011

Deu no Blog Fato ou Ficção

Bota na conta da CHEVRON!


Sabe este papo que a CHEVRON foi irresponsável e que temos que nos manifestar e tal?
Balela, tá todo mundo querendo fazer nome encima da empresa e esta tragédia não é a primeira e nem será a última!
Tragédias com as mesmas proporções já ocorreram no nosso País e o tempo passou e tudo ficou no esquecimento, o dinheiro continuou a entrar e nada, absolutamente nada, foi feito para nos resguardar de perigos como este

VEJA AS TRAGÉDIAS ANTERIORES ENVOLVENDO PETRÓLEO E DERIVADOS

Março de 1975 Um cargueiro fretado pela Petrobrás derrama 6 mil toneladas de óleo na Baía de Guanabara.

Outubro de 1983 3 milhões de litros de óleo vazam de um oleoduto da Petrobrás em Bertioga.

Fevereiro de 1984 93 mortes e 2.500 desabrigados na explosão de um duto da Petrobrás na favela Vila Socó, Cubatão – SP.

Agosto de 1984 Gás vaza do poço submarino de Enchova (Petrobrás): 37 mortos e 19 feridos.

Julho de 1992 Vazamento de 10 mil litros de óleo em área de manancial do Rio Cubatão.

Maio de 19942,7 milhões de litros de óleo poluem 18 praias do litoral norte Paulista.

10 de Março de 1997 O rompimento de um duto da Petrobrás que liga a Refinaria de Duque de Caxias (RJ) ao terminal DESTE-Ilha D´Água provoca o vazamento de 2,8 milhões de óleo combustível em manguezais na Baía de Guanabara (RJ).

21 de Julho de 1997 Vazamento de FLO (produto usado para a limpeza ou selagem de equipamentos) no rio Cubatão (SP) - Petrobrás.

16 de Agosto de 1997 Vazamento de 2 mil litros de óleo combustível atinge cinco praias na Ilha do Governador (RJ) - Petrobrás.

13 de Outubro de 1998 Uma rachadura de cerca de um metro que liga a refinaria de São José dos Campos ao Terminal de Guararema, ambos em São Paulo, causa o vazamento de 1,5 milhões de litros de óleo combustível no rio Alambari. O duto estava há cinco anos sem manutenção. Petrobrás.

6 de Agosto de 1999 Vazamento de 3 mil litros de óleo no oleoduto da refinaria da Petrobrás que abastece a Manaus Energia (Reman) atinge o Igarapé do Cururu (AM) e Rio Negro. Danos ambientais ainda não recuperados.

24 de Agosto de 1999 Na Repar (Petrobrás ), na grande Curitiba houve um vazamento de 3 metros cúbicos de nafta de xisto, produto que possui benzeno. Durante três dias o odor praticamente impediu o trabalho na refinaria.

29 de agosto de 1999 Menos de um mês depois, novo vazamento de óleo combustível na Reman, com a poluição de pelo menos mil metros. Pelo menos mil litros de óleo contaminaram o rio Negro (AM) - Petrobrás.
Novembro de 1999 Falha no campo de produção de petróleo em Carmópolis (SE) provoca o vazamento de óleo e água sanitária no rio Siriri (SE). A pesca no local ficou prejudicada após o acidente (Petrobrás).

18 de Janeiro de 2000 O rompimento de um duto da Petrobrás que liga a Refinaria Duque de Caxias ao terminal da Ilha d'Água provocou o vazamento de 1,3 milhão de óleo combustível na Baía de Guanabara. A mancha se espalhou por 40 quilómetros quadrados. Laudo da Coppe/UFRJ, divulgado em 30 de Março, concluiu que o derrame de óleo foi causado por negligência da Petrobras, já que as especificações do projeto original do duto não foram cumpridas.

28 de Janeiro de 2000 Problemas em um duto da Petrobrás entre Cubatão e São Bernardo do Campo (SP), provocam o vazamento de 200 litros de óleo diluente. O vazamento foi contido na Serra do Mar antes que contaminasse os pontos de captação de água potável no rio Cubatão.

17 de Fevereiro de 2000Transbordamento na refinaria de São José dos Campos (SP) - Petrobrás, provoca o vazamento de 500 litros de óleo no canal que separa a refinaria do rio Paraíba.

11 de Março de 2000 Cerca de 18 mil litros de óleo cru vazaram em Tramandaí, no litoral gaúcho, quando eram transferidos de um navio petroleiro para o Terminal Almirante Soares Dutra (Tedut), da Petrobras, na cidade. O acidente foi causado pelo rompimento de uma conexão de borracha do sistema de transferência de combustível e provocou mancha de cerca de três quilômetros na Praia de Jardim do Éden.

16 de Março de 2000O navio Mafra, da Frota Nacional de Petróleo, derramou 7.250 litros de óleo no canal de São Sebastião, litoral Norte de São Paulo. O produto transbordou do tanque de reserva de resíduos oleosos, situado no lado esquerdo da popa. A Cetesb multou a Petrobras em R$ 92,7 mil.

26 de Junho de 2000 Nova mancha de óleo de um quilometro de extensão apareceu próximo à Ilha d'Água, na Baía de Guanabara. Desta vez, 380 litros do combustível foram lançados ao mar pelo navio Cantagalo, que presta serviços à Petrobras. O despejo ocorreu numa manobra para deslastreamento da embarcação.

16 de Julho de 2000 Quatro milhões de litros de óleo foram despejados nos rios Barigüi e Iguaçu, no Paraná, por causa de uma ruptura da junta de expansão de uma tubulação da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar - Petrobrás). O acidente levou duas horas para ser detectado, tornando-se o maior desastre ambiental provocado pela Petrobras em 25 anos.

Julho de 2000Fernandez Pinheiro - na região de Ponta Grossa : Um trem da Companhia América Latina Logística - ALL, que carregava 60 mil litros de óleo diesel descarrilou. Parte do combustível queimou e o resto vazou em um córrego próximo ao local do acidente.

Julho de 2000 Fernandez Pinheiro - na região de Ponta Grossa (uma semana depois): Um trem da Companhia América Latina Logística - ALL, que carregava 20 mil litros de óleo diesel e gasolina descarrilou. Parte do combustível queimou e o resto vazou em área de preservação permanente. O Ibama multou a empresa em 1,5 milhão.

23 de Setembro de 2000 Morretes: Um trem da Companhia América Latina Logística - ALL, com trinta vagões carregando açúcar e farelo de soja descarrilou, deixando vazar quatro mil litros de combustível no córrego Caninana.

Novembro de 200086 mil litros de óleo vazaram de um cargueiro da Petrobrás poluindo praias de São Sebastião e de Ilha bela – SP.

Janeiro de 2001 Um acidente com o Navio Jéssica causou o vazamento de mais de 150 mil barris de combustível no Arquipélago de Galápagos.

16 de Fevereiro de 2001  Rompe mais um duto da Petrobrás, vazando 4.000 mil litros de óleo diesel no Córrego Caninana, afluente do Rio Nhundiaquara, um dos principais rios da região. Este vazamento trouxe grandes danos para os manguezais da região, além de contaminar toda a flora e fauna. O Ibama proibiu a pesca até o mês de Março.

14 de Abril de 2001  Acidente com um caminhão da Petrobrás na BR-277 entre Curitiba - Paranaguá, ocasionou um vazamento de quase 30 mil litros de óleo nos Rios do Padre e Pintos. 

15 de Abril de 2001 Vazamento de óleo do tipo MS 30, uma emulsão asfáltica, atingiu o Rio Passaúna, no município de Araucária, Região Metropolitana de Curitiba.

20 de maio de 2001  Um trem da Ferrovia Novoeste descarrilou despejando 35 mil litros de óleo diesel em uma Área de Preservação Ambiental de Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

30 de maio de 2001 O rompimento de um duto da Petrobrás em Barueri em São Paulo, ocasionou o vazamento de 200 mil litros de óleo que se espalharam por três residências de luxo do Condomínio Tamboré 1 e atingiram as águas do Rio Tietê e do Córrego Cachoeirinha.

15 de Junho de 2001 A Construtora Galvão foi multada em R$ 98.000.00 pelo vazamento de GLP (Gás liquefeito de petróleo) de um duto da Petrobrás, no km 20 da Rodovia Castelo Branco, uma das principais estradas do Estado de São Paulo. O acidente foi ocasionado durante as obras da empresa que é contratada pelo governo do Estado, e teve multa aplicada pela Cetesb - Companhia Estadual de Tecnologia de Saneamento Ambiental.

08 de Agosto de 2001  O barco pesqueiro Windy Bay chocou-se em uma barreira de pedras e derramou 132.500 litros de óleo diesel. O acidente ocorreu na Baía de Prince Willian Sound no Sul do Alasca - EUA, no mesmo local da grande catástrofe ambiental ocasionado pelo Navio Exxon Valdez.

11 de Agosto de 2001  Um vazamento de óleo atingiu 30 km nas praias do litoral norte baiano entre as localidades de Buraquinho e o balneário da Costa do Sauípe. A origem do óleo é árabe.

15 de Agosto de 2001 Vazamento causado por navios que despejam ilegalmente seus depósitos de óleo atingiu mais de 200 pinguins, perto da costa da Argentina.

15 de Agosto de 2001  Vazamento de 715 litros de petróleo do navio Princess Marino na Baía de Ilha de Grande, Angra dos Reis - Rio de Janeiro.

20 de Setembro de 2001 Vazamento de gás natural da Estação Pitanga da Petrobras a 46 km de Salvador-Bahia atingiu uma área de 150 metros em um manguezal .
05 de Outubro de 2001 O navio que descarregava petróleo na monobóia da empresa, a 8 km da costa, acabou deixando vazar 150 litros de óleo em São Francisco do Sul, no litoral norte de Santa Catarina.

18 de Outubro de 2001 O navio petroleiro Norma que carregava nafta, da frota da Transpetro - subsidiário da Petrobras, chocou-se em uma pedra na baía de Paranaguá, litoral paranaense, vazando 392 mil litros do produto atingindo uma área de 3 mil metros quadrados. O acidente culminou na morte de um mergulhador, Nereu Gouveia, de 57 anos, que efetuou um mergulho para avaliar as condições do casco perfurado.

23 de Fevereiro de 2002  Cerca de 50 mil litros de óleo combustível vazaram do transatlântico inglês Caronia, atracado no Pier da Praça Mauá, na Baía de Guanabara, Rio de Janeiro. O óleo foi rapidamente contido.

13 de Maio de 2002  O navio Brotas da Transpetro, subsidiária de transportes da Petrobras, derramou cerca de 16 mil litros de petróleo leve (do tipo nigeriano), na baía de Ilha Grande, na região de Angra dos Reis, litoral sul do Rio de Janeiro. O vazamento foi provocado provavelmente por corrosão no casco do navio, que estava ancorado armazenando um tipo de petróleo leve, de fácil evaporação.

12 de Junho de 2002 Cerca de 450 toneladas de petróleo vazaram nesta quarta-feira na costa de Singapura em decorrência do choque entre um cargueiro tailandês e um petroleiro Singapuriano. De acordo com a Autoridade Marítima e Portuária (MPA) de Singapura, o vazamento ocorreu quando um dos tanques do 'Neptank VII´ se rompeu durante a colisão. O acidente não deixou feridos.

14 de Junho de 2002 Vazamento de óleo diesel num tanque operado pela Shell no bairro Rancho Grande de Itu, no interior Paulista, cerca de oito mil litros de óleo vazaram do tanque, contaminando o lençol freático, que acabou atingindo um manancial da cidade.

25 de Junho de 2002  Um tanque de óleo se rompeu no pátio da empresa Ingrax, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (PR), deixando vazar 15 mil litros da substância. O óleo que vazou é o extrato neutro pesado, um derivado do petróleo altamente tóxico, que atingiu o Rio Atuba, próximo ao local, através da tubulação de esgoto.

10 de agosto de 2002 Três mil litros de petróleo vazaram de um navio de bandeira grega em São Sebastião, no litoral norte Paulista, no início da tarde de sábado. Um problema no equipamento de carregamento de óleo teria causado o despejo do produto.

19 de Novembro de 2002  O navio Prestige de bandeira das Bahamas, partiu-se ao meio provocando uma das maiores catástrofes ecológicas já vistas. O navio carregava 77 mil toneladas de óleo, e foi avariado a 250 km da costa espanhola - Galácia, com um rombo de 10 metros no caso, abaixo da linha de flutuação. Estima-se que cerca de 10 mil toneladas de óleo vazaram e mais de 295km da costa e 90 praias foram contaminadas.

http://ambientes.ambientebrasil.com.br/energia/acidentes_ambientais/principais_acidentes_com_petroleo_e_derivados_no_brasil.html

Este vazamento da CHEVRON ficará no esquecimento, pois a grana dos Royalties vai continuar a entrar e nada será feito para nos prevenir de acidentes como este

Quer valer que daqui a pouco não se falará mais em CHEVRON!

Postado por atanasio
http://atanasio-atanasio.blogspot.com/2011/11/bota-na-conta-da-chevron.html

sábado, 26 de novembro de 2011

"O PMDB é forte e pode ficar mais forte ainda"

Entrevista concedida ao Jornal Diário do Litoral 

- Qual é o posicionamento do PMDB em relação ao governo Marquinho Mendes?

O PMDB de Cabo Frio em função das disputas locais passa por um momento de transição. Até pouco tempo o PMDB se apresentava como oposição ao governo Marquinho Mendes, apesar dos seus vereadores terem independência nas votações na câmara e por muitas vezes terem acompanhado os governistas. Teoricamente existe uma linha política a ser seguida e ela é verticalizada, portanto, a tendência do partido é buscar, dentro da realidade política em que se encontra, um novo direcionamento para o futuro, a partir da construção de um novo paradigma político para Cabo Frio. A orientação política do partido hoje é no sentido de se fortalecer para construir novos horizontes dentro de um projeto político estruturante e dentro da esfera política local, dar governabilidade ao prefeito para garantir que ele termine seu mandato sem colocar em risco a administração pública.

- Na opinião do PMDB, o que precisa melhorar em Cabo Frio?

Cabo Frio precisa definir onde quer chegar, que tipo de cidade quer ser, precisa definir sua identidade e valorizar sua história, sua tradição e suas vocações naturais. No todo a cidade tem muitos pontos frágeis, muitas lacunas que atrapalham seu crescimento. Na vontade de crescer alguns governantes acabaram por pular etapas e isso na construção de uma cidade é muito ruim, isso sem falar na falta de planejamento estratégico e de uma macro política de desenvolvimento. Cabo Frio precisa definir também, as questões relativas ao crescimento urbano, a ocupação dos espaços e a forma de ocupação.  Lamentavelmente o que tenho visto, além de muita corrupção são projetos pontuais que tem o objetivo meramente ilusório aos olhos do cidadão, castelos de papel. Cabo Frio precisa crescer,  a administração pública precisa ser eficiente, tem que dar resultado, tem que haver um desenvolvimento real. Qualidade de vida, inclusão e justiça social têm que ser metas. As futuras administrações precisam estar alinhadas com as outras esferas de poder para que a cidade possa figurar como modelo nas relações com o Estado e com a União. A cidade precisa se preparar para o advento do pré sal e precisa profissionalizar e fortalecer o Turismo. Cabo frio precisa ser inserida na nova ordem mundial, precisa estar a frente do seu tempo, precisa ser planejada para um dia se tornar referência. A indústria precisa ser atraída e o comércio fortalecido, pois aí sim vamos gerar empregos e aquecer a economia local. Educação e saúde são pontos críticos que precisam ser revistos com urgência, o saneamento básico precisa ser todo repensado sob pena de termos um colapso muito em breve. Isso tudo precisa acontecer de fato e todas as questões ligadas a sociedade como um todo precisam melhorar, mas para chegarmos lá eu creio que muito importante é colocarmos os cidadãos no centro dessa discussão para que eles participem efetivamente desse processo.

- O PMDB já tem um programa de governo?

Não, ainda não, estamos ainda nas premissas, mas o PMDB tem diretrizes muito claras e específicas, nesse momento o partido, se valendo dessas premissas e diretrizes, se prepara para formatar um programa de governo realístico e possível.

- Como está, internamente, o PMDB para as eleições de 2012?

O partido está apto a concorrer, já tem uma idéia de nominata forte e coesa para as eleições proporcionais e nomes para a formatação da chapa majoritária.

- As pesquisas já conhecidas podem influenciar na hora da decisão do nome do candidato do PMDB?

Certamente podem, não só podem como devem influenciar na hora da escolha do nome do candidato, isso é natural e o PMDB não faz política no achismo. Temos um objetivo e para isso nosso candidato tem que ser competitivo e reunir condições para vencer as eleições.

- Existe a possibilidade de uma disputa, na convenção, para ser o candidato majoritário?

Lógico que sim e de forma muito tranqüila e natural. O PMDB tem ótimas opções. O Alfredo pode ficar tranqüilo e tocar seu trabalho, nós temos é que olhar para frente, construir as condições, os adversários estão com o gosto de sangue na boca e estimulando a discórdia. A convenção fortalece os partidos, une os filiados, afina o discurso e mostra a musculatura do partido. Após o resultado da convenção todo mundo se junta e parte para buscar a vitória nas urnas, traduzindo assim a essência da democracia. Esse negócio de não quererem outros pré candidatos precisa ser desmistificado, o partido não tem dono, quem decide é o coletivo e obviamente a razão, portanto, as pessoas precisam entender que nesse momento é natural aparecerem algumas pré candidaturas majoritárias e é bom, pois o partido fica com uma capacidade de interlocução maior com os outros partidos e novas oportunidades e posicionamentos vão surgindo. O PMDB tem disso, faz parte do jogo e quem negar isso é bobo. Assim é a democracia !!!

- O Senhor pretende colocar seu nome numa disputa interna para ser candidato a prefeito?

Espero que outros companheiros entendam que minha postura acima de tudo é a postura de presidente da legenda e por isso tenho que viabilizar o partido como um todo para que tudo dê certo e para que todos os filiados tenham tranqüilidade. Aliás, quando fui convidado pelo Picciani para assumir a presidência do PMDB de Cabo Frio me comprometi nesse sentido. Entretanto, acho saudável colocar meu nome sim como alternativa, tenho uma vida política de conquistas e uma experiência que me credencia para isso, acho que não podemos perder a oportunidade de fortalecermos o partido  e precisamos estar preparados para as adversidades. Em Brasília, nos últimos 8 anos convivi com figuras importantíssimas do cenário político nacional, me relaciono politicamente com o vice presidente da república e sou tratado na câmara e no senado como colega, conheço a Presidente da República e todos os ministros, me relaciono com toda a classe política do Estado do Rio, não tenho problema com ninguém, sou uma pessoa que me dedico à política, sou ficha limpa, sou do bem, tenho serviços prestados a todos os municípios da Região dos Lagos, ao Estado do Rio de Janeiro e à nação brasileira, então, porque não colocar meu nome para fortalecer meu partido ?!? Vamos à luta !!!

- Os nomes apresentados como pré-candidatos a vereador, somados com os nomes tradicionais do partido, colocam o PMDB como uma das grandes forças nas próximas eleições. Essa aglutinação de forças tem motivado negociações para coligações? Com quem o PMDB se coligaria, e por quê?

Apesar de estarmos conversando com alguns partidos e diretamente com alguns pré candidatos considero muito cedo para estarmos ventilando sobre essa questão. Eu posso dizer que o PMDB manterá o seu posicionamento em função da verticalização do poder, a orientação é essa. Posso dizer também que as conversas que estamos tendo são boas, mas ainda é cedo para decisões, precisamos nesse momento que o partido esteja coeso, vamos trabalhando a questão interna sem tirar o olho da questão externa, precisamos que nossos militantes estejam prontos para as eleições e que nosso partido esteja com tudo preparado para não faltar nada. O PMDB é forte e pode ficar mais forte ainda, tudo depende da nossa habilidade política e nesse jogo paciência chinesa é um grande aliado, não vamos enfiar os pés pelas mãos, vamos estudando todos os cenários e montando nossa estratégia, nosso compromisso tem que ser acima de tudo com o povo se quisermos ganhar as eleições.


- Qual a mensagem que o Sr. tem para o cidadão, para o povo de Cabo Frio?


Que o cidadão acredite que a política é coisa séria,mas para que assim seja é fundamental a participação consciente de todos. Quem quer mudança tem que dizer e tem que votar em quem realmente possa promover tais mudanças. Que o cidadão não aceite vender seu voto, que participe de coração doa a quem doer. Que o cidadão não abra mão do seu direito de participar e que não se acanhe.  Aproveito para agradecer a oportunidade e para convidar a todos que venham para o PMDB.