sexta-feira, 6 de abril de 2012

Nada na vida é em vão


"Nada do que foi será, de novo do jeito que já foi um dia, tudo passa, tudo sempre passará... tudo muda o tempo todo, no mundo...". Com essas palavras o genial Lulu Santos mexeu com o pensamento de muitas pessoas. No fundo, acho que ele quer dizer simplesmente que a vida deve ser vivida em sua plenitude e nenhuma experiência deve ser desprezada, pois as coisas realmente mudam ao longo do tempo. E neste sentido, é o que vivemos que servirá de alicerce para as experiências que virão. Não considerar determinadas situações não é inteligente, muito pelo contrário, pois não ter referencial é um fator de insegurança muito grande, sobretudo para aqueles que se propõem a promover mudanças, sejam pessoais ou coletivas. As vezes dar um passo atrás é a unica  alternativa para não cair no precipício, porém, nem todos tem essa percepção e alguns insistem em avançar para o abismo a ponto de comprometer e prejudicar outras pessoas. Em Cabo Frio vemos isso claramente.

Poder voltar a Folha dos Lagos num momento como o que estamos passando é muito gratificante. Nos últimos anos me dediquei a vida pública representando o povo do Rio de Janeiro, na Câmara dos Deputados em Brasília. Dessa experiência procuro dar voz ao que aprendi de melhor para seguir na vida pública, buscando fazer a diferença. Não posso, entretanto, em função das referências que tenho, esquecer daqueles que sempre estiveram ao meu lado. Por esta razão devo ser claro e objetivo, e reafirmar o que venho dizendo ao longo destes anos: não compactuo com a cena política da Cabo Frio de hoje, onde os poderosos defendem apenas seus interesses particulares. Não posso ser irresponsável e esquecer quem foram e quem são os meus adversários políticos, sobretudo porque eles são adversários da construção de um projeto coletivo de inclusão política. Não posso romper meu compromisso com a realidade e nem com aqueles que depositaram em mim a confiança para representá-los, simplesmente para fazer arranjos eleitorais.

Exatamente por nada na vida ser em vão é que continuo firme nos meus propósitos. Acredito que podemos construir um futuro melhor e mais justo para a coletividade a partir da inclusão de todos no processo político e nas decisões que pautarão o nosso futuro.  Um novo paradigma político torna-se imperativo e seu fundamento deve ser atender aos anseios e às necessidades de todos. A cidade não pode mais ficar refém de uma classe de políticos que privilegia pequenos grupos e seus interesses mesquinhos. A política deve ser soberana estendendo-se generosamente a todos os cidadãos. Não haverá futuro sem justiça social e participação, essa é a essência para dias melhores, com eles pavimento o meu caminho.

Bernardo Ariston 

Nenhum comentário:

Postar um comentário