segunda-feira, 25 de junho de 2012

Está chegando a hora




Aqui no Brasil, após a Rio+20, tudo segue em paz. Apesar do texto final aprovado na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ter sido considerado pouco ambicioso, nossa realidade não vai mudar. Entretanto, dependendo da ótica, os resultados da conferência servirão como elementos para a promoção do desenvolvimento sustentável, uma vez que o chamamento para essa realidade e a percepção do povo sobre a importância dessa questão, certamente ficaram evidentes e foram absorvidas pela maioria das pessoas. Acredito ter sido esse o grande resultado da conferência. 

Enquanto isso no Paraguai, impcheament relâmpago e muito mais. A ordem política foi alterada naquele país e os países do Mercosul e da Unasul reagiram rapidamente. Dar margem a possibilidade de golpes de estado não é aceitável, a idéia em si é repugnante, sobretudo num momento da história onde a democracia se encontra estabelecida na totalidade dos países do continente sul americano. Os países do Mercosul e seus sócios declararam a “mais enérgica condenação a ruptura da ordem democrática na República do Paraguai”. Chamar o embaixador, promover e apoiar sanções comerciais são manobras da diplomacia. A decisão em relação ao Paraguai foi tomada em função do que estabelece o Protocolo de Ushuaia, que determina a 'plena vigência das instituições democráticas como condição essencial para o desenvolvimento do processo de integração'. Sendo assim, o entendimento é que o  Paraguai 'não respeitou este processo'.  Entretanto  resta  uma  pergunta:  o que diz a lei Paraguaia ?!? 

Com impeachment ou sem, a vida continua. No Brasil, onde já tivemos o impeachment do Presidente Collor, o rito não foi sumário e nenhum país vizinho questionou o que estava acontecendo ou como aconteceu. Certamente no caso do Paraguai alguma coisa pode não estar certa, foi tudo muito rápido e a reação dos países vizinhos de suspender o Paraguai do Mercosul e da Unasul tem como elemento preponderante o fato de que aparentemente houve um golpe de Estado maquiado. O ex Presidente Fernando Lugo também defende essa tese e não reagiu à decisão que o tirou do poder a fim de evitar um banho de sangue, entretanto, parece que não houve comoção da população, que calou apática diante dos acontecimentos. O Brasil considerou que o ex Presidente não teve o amplo direito de defesa assegurado no processo e por enquanto não pretende aplicar sanções econômicas, sob o pretexto de não querer prejudicar o povo paraguaio. A decisão de afastar o Paraguai do Mercosul e da Unasul até as eleições de 2013 foi unânime e será anunciada oficialmente durante a próxima reunião do Mercosul em Mendoza, na Argentina. 

Vamos virar a página, por aqui também temos as nossas mazelas. Está chegando a hora de mais uma campanha eleitoral e, mesmo com as olimpíadas de Londres, esse vai ser o grande tema de 2012 nas nossas esquinas. Os cientistas políticos estão de prontidão e os fofoqueiros também. O jogo vai começar, façam suas apostas, escolham seus candidatos e vamos votar. Por hora esse vai ser nosso grande desafio, uma verdadeira olimpíada eleitoral. No mais, como bom brasileiro, prefiro acreditar que tudo vai dar certo no final. Desejo sorte ao povo paraguaio e espero que tudo seja resolvido democraticamente pelo viés da lei, porém, desejo mais sorte ainda ao povo brasileiro que, na esfera local, mais uma vez poderá escolher seu destino pelo voto. Assim será, vamos em frente, vamos trabalhando e tentando melhorar.

Bernardo Ariston

Um comentário:

  1. Bernardo

    Você em quatro parágrafos conseguiu reunir todos os grandes eventos do mês, fez o resumo de todos, e ainda projetou acontecimentos futuros.

    Parabéns

    Charles Domingues

    ResponderExcluir