segunda-feira, 18 de junho de 2012

Falar é fácil, difícil é fazer !!!

Não seria justo aproveitar esse espaço tão importante para fazer marola com o intuito de enganar os leitores com informações truncadas e maliciosas, apenas para tentar viabilizar um projeto político individual, ou na tentativa de impor uma vontade dissonante dos anseios da maioria da população. Seria muito mesquinho criar confusão com o uso da palavra para confundir, mas como não tenho essa vocação sempre coloquei em pauta idéias sobre temas fundamentais para a construção de uma sociedade mais justa. Tenho compromisso com o raciocínio e defendo a tese de que mais importante do que discutir nomes, num primeiro momento, é discutir idéias e projetos que possam realmente contribuir com o debate político e com a democracia. 

Queria poder nesse momento me dar o direito de ficar quieto, calado, mas não posso, sou político, tenho que botar para fora o que penso, mas com responsabilidade. Tenho que dizer que nunca quis ser candidato a qualquer preço ou por motivos fúteis, pois não acredito na busca pelo poder, apenas pelo poder. Creio que o poder político deve ser usado como instrumento de transformação da sociedade na busca por justiça social, qualidade de vida e desenvolvimento sócio econômico. Tudo tem seu tempo.

Sou realista e acho que o PMDB errou quando aceitou meus adversários políticos em nossas fileiras. Não porque eram meus adversários, mas porque não representavam absolutamente a possibilidade de promover as mudanças sugeridas pelo partido e porque não tinham competência para conduzir o processo até o fim. Era nítido e óbvio que aquilo era uma cortina de fumaça para inviabilizar um passo maior. Fui honesto quando disse que o candidato do PMDB tinha que ser viável e quando anunciei a possibilidade de ser pré candidato a prefeito, afinal de contas nada mais democrático do que o debate partidário para a escolha de seus candidatos. Sempre soube e sempre falei que liderança não se impõe, se conquista. Essa manobra equivocada nos fez perder muito tempo e criou muita dificuldade para a construção de uma candidatura forte que pudesse trazer para o centro da discussão política um novo paradigma político para a cidade. 

Acho muito inconveniente como algumas pessoas querem colocar palavras na minha boca, bem como, acho muito desonesto como essas pessoas tentam jogar com o meu nome, como insistem em querer me colocar no rol dos pilantras e me rotular como se eu fosse mais um desses hipócritas que desejam o poder a qualquer preço. Entendo que essas tentativas possam fazer parte da disputa política, mas no fundo, quando dizem que o Bernardo Ariston é isso ou aquilo, esquecem que minha trajetória fala por si e que está registrada na história recente do Brasil. Essas pessoas têm medo de perder a teta que as fez milionárias, bem como abominam a possibilidade de devolver ao povo o protagonismo devido, preferem lutar pela manutenção do status quo, mantendo seus currais e promovendo o subdesenvolvimento da cidade.

Falar é fácil, difícil é fazer, mas como sou daqueles que faz, estarei contribuindo sim para o desfecho positivo desse processo e tenho certeza de que se fosse realmente fácil, já estaria tudo resolvido. Prudência não faz mal a ninguém, vamos em frente, muita água ainda vai passar por baixo dessa ponte e não custa nada aguardarmos mais um pouco. Continuo de prontidão, até lá outras batalhas serão travadas e fatos novos surgirão. 

Bernardo Ariston

Nenhum comentário:

Postar um comentário