segunda-feira, 4 de junho de 2012

Mobilidade urbana e o desenvolvimento local.


Mobilidade urbana é “a capacidade de deslocamento de pessoas e bens no espaço urbano para a realização das atividades cotidianas em tempo considerado ideal, de modo confortável e seguro”. Dizem que a questão da mobilidade urbana é um dos grandes desafios das cidades no mundo todo. A Cartilha de Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, define mobilidade urbana como “atributo das cidades no que se refere à facilidade de deslocamento de pessoas e bens dentro do espaço urbano”. Mobilidade urbana, portanto, é conseguir se locomover com facilidade. Cabe ao poder público definir e implementar as estratégias e políticas públicas para o trânsito, para a postura, para o aparelhamento urbano e para o transporte público com o objetivo de garantir uma política de mobilidade urbana eficiente, bem como a sua consecução. 

No Brasil a Política Nacional de Mobilidade Urbana foi instituída pela lei 12.587/2012 e figura como instrumento da política de desenvolvimento urbano, tendo como objetivo contribuir para o acesso universal à cidade, o fomento e a concretização das condições que contribuam para a efetivação dos princípios, objetivos e diretrizes da política de desenvolvimento urbano, por meio do planejamento e da gestão democrática do Sistema Nacional de Mobilidade Urbana.

É impossível pensar em mobilidade urbana sem pensar no meio ambiente como um todo. Pensar a mobilidade urbana sob os aspectos sociais, econômicos e ambientais é fundamental para o planejamento urbano, sobretudo face a questão do desenvolvimento local e da sustentabilidade. As consequências da mobilidade urbana na economia das cidades e na qualidade de vida das pessoas são reais e por esses aspectos devemos considerá-la como ferramenta para oferecer acesso aos empregos, ao comércio, aos serviços, à educação, à cultura e ao lazer. “É fundamental pensar nas ruas, calçadas e ciclovias, como elementos para a estruturação da mobilidade urbana”. É fundamental, também, pensar na utilização do espaço público para resolver a questão da acessibilidade e da criação de novas formas de trânsito e de transportes públicos que possam se valer de modais mais eficientes, que valorizem a preservação do meio ambiente e que sejam capazes de garantir uma melhor qualidade de vida para todos. 

Não se pode planejar uma cidade sem se ater à questão da mobilidade urbana. Todas as ações e investimentos para melhorá-la devem promover a articulação das políticas de transporte, trânsito e acessibilidade para garantir o acesso das pessoas ao espaço público. A cidade precisa oferecer condições para que todas as pessoas circulem com segurança e conforto, precisa oferecer facilidades para que todos possam se deslocar naturalmente, independentemente do motivo, e garantir que o fluxo de circulação das pessoas e das coisas esteja sempre voltado para o crescimento e para o desenvolvimento econômico e social local

Bernardo Ariston

3 comentários:

  1. Sua coluna é fantástica, e você foi de uma felicidade estupenda ao trazer para todos esse tema que poucos trazem a tona, e trata de uma necessidade de praticamente todas as cidades, independente do seu tamanho.Se me permite gastaria de acrescentar um comentário.
    Para que o nosso dia-a-dia funcione bem, e sendo os meios de transporte eficientes, a sociedade ganha diversos benefícios, como qualidade de vida, inclusão social e desenvolvimento econômico.
    Como você bem disse ter mobilidade é oferecer fácil acesso aos lugares, por meio de transporte eficiente e inclusivo, além de ambiental e economicamente viável.
    Mas caro Bernardo para se alcançar a tal mobilidade urbana e preciso em primeiro lugar ter meios de transporte compatíveis, com a necessidade da população, o que de pronto já vimos que nesse quesito eles ficam muito a quem das necessidades da população de Cabo Frio, apesar de sabermos que isso e um problema que assola a todas as cidades, porem aqui me parece mais um problema político do que estrutural,
    Hoje a população de cabo frio tem qual alternativa para deixar seu carro na garagem e seguir de ônibus, bicicleta ou ate mesmo a pé para as suas atividades? Enquanto essas perguntas ficarem sem respostas, não teremos nunca um modelo de mobilidade urbana sustentável.
    Parabéns pela belíssima exposição do tema.

    Charles Domingues

    ResponderExcluir
  2. Querido Charles,
    Obrigado pelo seu comentário !!!
    Tenha certeza que acredito na sua opinião e que penso em alternativas para essa realidade. Espero pelo nosso encontro para trocarmos idéias.
    Forte abraço,

    Bernardo Ariston

    ResponderExcluir
  3. Bernardo

    E disso que precisamos pessoas que pensam em alternativas, e não tem receio de manter a sua posição, assim se fazem grandes homens não tenha duvidas disso amigo, la na frente o resultado de seu compromisso com seus ideais aparecerão.

    Um fortíssimo abraço

    Charles Domingues

    ResponderExcluir