segunda-feira, 13 de agosto de 2012

"Onda, onda, olha a onda..."


Mais uma página virada, as olimpíadas terminaram. Honestamente acho que o resultado do Brasil deixou muito a desejar e se falarmos de futebol e vôlei masculino, não sei nem o que dizer. Talvez render os devidos elogios ao México e a Rússia seja a melhor saída, pois foi de amargar ficar com a medalha de prata em ambos os casos. Levar a prata pode ser até honroso, mas em se tratando de ver a seleção brasileira de futebol "jogar prá inglês ver" e a de vôlei perder de  3 a 2, numa virada inacreditável, realmente é duro. A vida segue e com os erros e derrotas devemos aprender e nos fortalecer para um futuro melhor. No mais, temos agora que trabalhar duramente para que os jogos olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, entrem para a história como um marco e não apenas como uma agenda como foram as olimpíadas desse ano. Não vai ser colocando uma escola de samba na abertura dos jogos que vamos entrar para a história, vamos ter a primeira olimpíada do nosso continente, a primeira de um pais emergente, e isso por si só já nos imputa uma responsabilidade enorme, fora tudo aquilo que poderemos aproveitar para o presente e para o futuro.

Em Brasília a onda continua sendo o julgamento do mensalão. Não fiquei nenhum pouco impressionado com a postura do advogado do Deputado Roberto Jefferson, eu já esperava aquela linha, pois ela tem uma relação objetiva com tudo o que aconteceu. As doses de bravata e valentia foram típicas de quem estava atacando como recurso de defesa. Também não me impressionou o fato de alguns ministros terem argüido alguns advogados acerca de suas teses. Na dúvida, pergunta-se, é óbvio. Feio e atípico foi perceber que após as perguntas alguns causídicos tremeram na base. Eu acho que vai haver condenação sim, mas apesar de apenas 11% da populaçao achar que isso vai acontecer, faço parte também dos 73% de brasileiros que desejam a condenação. Em paralelo o Cachoeira também surfa sua onda e a cada dia que passa forças do sistema soltam pílulas do caso em doses homeopáticas. Parece até que fazem isso de propósito para contrapor ao mensalão e criar um equilíbrio midiático. Alguém mais ouviu falar da Delta, do Cavendish, entre outros ?!? 

A nossa querida região dos lagos volta às telas da Globo em horário nobre e com um certo destaque. Dessa vez não vemos mais as belezas e o glamour de Buzios, mas uma tentativa bem bobinha de querer mostrar Cabo Frio como um lugar cafona. Sem sombra de duvidas a novela Av. Brasil é um sucesso absoluto e o tema central da novela, apesar de me parecer exagerado, está sendo bem encarnado pelas protagonistas da trama. O autor está de parabéns, apesar de tanto exagero. A novela está expondo e trazendo ao debate a questão da vingança abertamente e de forma exorbitante. Apesar de tudo, esse tema está em voga, faz parte também das fofocas de esquina e, de uma maneira ou de outra, acaba por criar outra onda no cotidiano brasileiro. Espero honestamente que essas ondas passem logo como passaram as olimpíadas. Em tempos de mensalão, cachoeira, vingança na telinha e participação secundária nos jogos olímpicos, ter Marina Silva como destaque na abertura dos jogos não é nada, mas não ter cuidado com o voto nas próximas eleições pode dar margem a ondas tsunâmicas.

Bernardo Ariston 

Nenhum comentário:

Postar um comentário